sexta-feira, 18 de julho de 2014

A música que a Deus agrada

Canta a virgem a Jesus desposada, 
Canta, canta próximo de ser decapitada.
Canta Cecília e com ela o céu, 
Canta com a vida e leva no coração o Evangelho. 
Canta com a alma e sua música agrada a Deus,
Canta ante a morte, canta calma, serena e forte. 
Não teme amar, não teme sofrer por seu Senhor
Faz do martírio o seu mais belo e verdadeiro louvor.
Canta Cecília, canta já santa!
Canta em ascensão,
junto aos convertidos por seu testemunho.
Canta e na pauta, 
pelos séculos a Igreja redige seu canto a punho.
Canta, se faz pequena e a Deus exalta.
Canta Cecília, santa, virgem e toda entregue,
Se une ao coro dos anjos e roga por nós!
Canta, canta, canta...
Pelos séculos sua voz não cessa de soar,
Soa  a voz dos dos anjos, soa o coro celeste,
A voz de Deus junto à voz de seus consagrados.
É Deus a busca de Cecília, sua música. 
É Cecília, a beleza que a de Deus não ofusca.
É Cecília, santa, virgem e mártir, consagrada,
A música que a Deus agrada.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Peregrino

O peregrino vai,
Pela ação de Deus restaura os corações;
É instrumento em Suas mãos, traz nova vida;
Dá ânimo, vida, vigor, traz novo ardor;
Aponta o caminho da fé, lança a semente,
Retorna, recolhe-se, faz do silêncio oração;
Para que Deus possa falar e germiná-la,
Aqui na terra é Peregrino, todo que aceitou a missão:
De falar independentemente de qual seja a nação;
De qual seja o canto da terra,
É peregrino quem deseja renovar a face da terra,
E que deseja transmitir o Amor gratuito,
É peregrino quem da sua pátria sai, ao longe
e mesmo sem saber aonde, vai;
É peregrino quem trocou seu próprio caminho,
A duplicidade de suas estradas, para seguir
a única estrada, que conduz ao céu;
O peregrino vai, sendo instrumento para restaurar,
deixa também ser restaurado o seu coração;
Recebe novo ânimo, vida e novo ardor;
Se põe no mesmo que caminho que anuncia,
Recebe toda a graça e distribui dela frações,
Leva em seu coração o desejo de fazer discípulos,
entre todas as nações!

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Ninho

O coração de Jesus é o ninho,
onde eu, passarinho, me abrigo,
me refugio e dele me sacio.
Em seu coração posso cantar,
seu nome bendizer, entoar
o meu louvor.

Do perigo,
sei que estarei liberto,
do laço do caçador, da
aridez do deserto.
Lá terei renovada minha confiança,
Não temerei o que há de vir,
não temerei o que ainda não vejo.

Do frio,
da forte ventania e da incerteza
constante, há de me livrar
aquele que me dá asas e
é motivo do meu voo.

Sou eu, tão insignificante
e necessário, fugitivo do amor
e vencido pela doçura,
Sou eu passarinho,
levo no meu bico
o canto de Deus.

Sou eu passarinho,
preso mas querendo voar.
Sou eu passarinho,
que sabe aonde deve ir
e aonde deve pousar.

Sou eu passarinho,
preso mas querendo voar
Sou eu o passarinho e o
sagrado coração de Jesus é o meu ninho.