segunda-feira, 30 de março de 2015

A alma esposa (30.03.15)

Óh Virgem imprudente!
Já não tens óleo e a tua ida
para buscar o combustível,
te custará a perca da presença
do Amado.

A tu que és prudente,
estás de pé, cheia
de mirra, à espera.
Espera, alma preciosa!

Ele logo vem...
Já está para chegar,
honrará a tua espera.
Caminha...
No caminho Ele te encontrará,
ama agora, Ele te amará
para todo sempre.

Espera o beijo doce
do Teu Senhor,
espera as delícias que te
aguardam no céu.

Fostes fiel e será eterna
a tua alegria, sê toda dEle,
pois o Amado já é teu.
O Amado te espera
e vem ao teu encontro;

Te livrará dos chacais,
das raposas.
Sê tu a tua a alma vigilante
e esperançosa, sê tu a alma
esposa.

A Rosa do Calvário (30.03.15)

Uma rosa brilha em meio
ao sofrimento, reluz;
Como é grande o seu
esplendor, como é grande
sua pequenez.
Parece ser um mero detalhe,
mas olhá-la traz esperança,
traz consolo.
Diante de tanto sofrimento
Olhava e só via espinhos,
em meio às dores encontrei
uma lida e formosa rosa,
respingada de sangue;
de perfume sem igual. 
Meus olhos se encantaram
e meu coração entendeu que
Maria é a rosa que perfumou o 
mundo, é a Mãe da Esperança,
a Rosa do Calvário. 

domingo, 29 de março de 2015

Holocausto (28.03.15)

Vítima do sacrifício,
o cordeiro por todos
imolou-se.
Para pagar as culpas
se entregou no madeiro,
veio devolver a vida.
Quis misericórdia e não
sacrifícios, Ele mesmo
se deu.
Quis amor ao invés
da vingança, a plenitude
para todos e não somente
para uma seleta porção.
Eis que fez do diferente
um só povo, vindo de toda
parte, uma única nação.
Toda a humanidade
encontrou-se em único
lugar: aos pés do madeiro,
junto ao cordeiro.
O Senhor distribuiu
misericórdia que jorrou
de Seu lado aberto,
proferiu sobre a terra
Sua benção, preferiu
o amor ao invés do
holocausto.

sexta-feira, 27 de março de 2015

A Casa de Deus (27.03.15)

Pouco importa se destelhada,
Feia ou mal arrumada, eu sou a
Casa de Deus.
Pouco importa se minhas
paredes estão mofadas,
se meu chão está encardido
e as coisas fora de lugar,
Eu sou a casa de Deus.
Uma casa cheia de goteiras
e infiltrações, necessitada de
restauração.
Minha estrutura é antiga
e desgastada, minhas divisões
mal feitas, por vezes pareço que
vou desmoronar, mas ainda assim, 
sou a casa de Deus.
Meu interior é feio e por fora
confesso não ser muito agradável.
Mas posso ser refeita e transfigurada,
Deus me vê bela, pois enxerga a obra
restaurada.
Eu, ainda deformada, me abro à restauração,
me lanço confiança em Suas mãos de artista.
Repito várias vezes:
Pouco importa se destelhada,
feia ou mal arrumada, eu sou a Casa de Deus.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Cristo é a Luz (27.03.15)

Cristo é a Luz que sobre mim
veio, para livrar-me dos meus 
infernos.
Cristo é a Luz do mundo e sem Ele
Seriam soberanas as trevas.
Cristo é a Luz que não permitiu
que o mal prevalecesse.
Cristo é a centelha que inflamou 
e renovou a face da terra.
Cristo é o amor que se derramou
e transbordou onde era escassa  a
vida. 
Cristo é a Luz que livrou-me de mim
Mesmo e libertou-me do cárcere. 
Cristo é a Luz que silenciou os meus
Barulhos e encheu-me de paz.
Cristo é a Luz que aponta o caminho do
Regresso.
Cristo é a Luz que ilumina o caminho da 
Felicidade.
Das minhas trevas, Cristo é a Luz.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Coração Sagrado (23.03.15)

É certo que no Teu coração
não há vazios, há amor, consolo,
misericórdia.
Há vida, ternura e infinita bondade.
Há verdade, mansidão e profunda
humildade.
No teu coração há descanso,
um rio que corre, um poço de
restauração.
Há vida que coabita com um
inexplicável Amor.
Teu coração é uma oficina onde
se lapida, um local de profundo
aprendizado.
O lugar do consagrado é no Teu
Coração Sagrado.

terça-feira, 17 de março de 2015

O Rio do Santuário (17.03.15)

Cada vez que me comungo
me envolve uma profunda
emoção, não sei ao certo
explicar...
Como podes, Tu sendo Deus,
vir em mim morar?
Cada vez que vou ao Teu
encontro, te vejo já no caminho
me encontrar.
Não me permites que a Ti eu
chegue, antes me encontras.
Sou eu tal como aquele pai
desesperado por perder sua
filha, sou eu como Jairo em Ti
buscando refúgio.
Sou eu como a hemorroísa,
sangrando e procurando uma
cura; sou eu como aquela menina
morta e que mais nada podia fazer
a não ser render-se aos Seus cuidados;
Sou eu, pecador, frágil e totalmente
dependente do Teu amor.
Não encontro sentido longe de Ti,
desconheço outro amor tão verdadeiro.
Sou eu, inteiro, amado pelo mesmo
Deus de Abraão, Isaac e Jacó,
por Ele inserido em Seu povo;
Sou eu, parte de seu rebanho,
imerso no rio que jorra do santuário.

domingo, 8 de março de 2015

Moldura (08.03.15)

Mãe do Restaurador,
Espelho da obediência,
Pureza e castidade.
Mãe que leva nos
braços toda a humanidade.
Sois a mais perfeita criatura,
de sutileza e ternura revestida.
De beleza sem igual,
Teu ventre é o berço que
Acolhe Jesus, 
sois Sua primeira manjedoura.
Esposa fiel, acolhestes as dores
da humanidade,
Em oblação entregastes
junto ao Teu Filho.
Por ser do divino a fiel figura,
sois espelho.
Sois do divino a figura,
Espelho que reflete a Trindade;
Do quadro que retrata
O mundo, sois a moldura.

sábado, 7 de março de 2015

Eco do Primeiro Amor (07.03.15)

Ainda arde em mim a chama
Do primeiro Amor, no
Peito a paixão por Ti.
Desejo a cada dia mais corresponder  
e não perder de vista o Teu chamado,
o Teu apelo.
Fui chamado a ser um dos Teus,
Retirado da multidão,  chamado
A estar mais perto, a adentrar
Tua habitação.
Ainda arde em mim a chama
Do primeiro Amor, no
Peito a paixão por Ti.
Ainda ressoa em mim
O eco do primeiro Amor.

A Esperança não engana (07.03.15)

Dou-te graças pelo que me falta
E pela Tua graça almejo alcançar,
Dou-Te graças pelos excessos que
de mim vens retirar.

Estou pronto para deixar-me moldar,
Estou pronto para amar-Te de uma
Forma mais madura e comprometida.

Dou-Te graças,
pois sei que a paciência
tudo alcança,  a fidelidade
comprovada produz a esperança.

Dou-Te graças pelas tribulações,
por gerarem em mim a fidelidade,
Dou-Te graças pelo Amor que do
Teu Sagrado Coração emana;
sobre mim se derrama.
Dou-Te graças, pois sei
que a esperança não engana.

quarta-feira, 4 de março de 2015

O Manto da Obediência (04.03.15)

Calai minhas ondas
revoltas, silenciai as
minhas tempestades.
Calai meu eu, minhas
vontades.

Não permitais que eu faça
o quero e perca de vista
a Vossa vontade, voltai-me
para Vós e dai-me humildade
para esperar e acolher Vossos
planos.

Eis que me apresento ao
templo para purificar-me
de meus pecados e assumir
uma nova vida.
Ponho diante de Vós
meu propósito de
continuar a convergir,
meu agir.

Santificai minhas ações,
purificai meu olhar,
com óleo ungis minha
cabeça e meu cálice
transborda.

Silenciai minha voz
para que ecoe a Tua.
Voltai para Vós a minha
consciência, enchei-me
de sabedoria e paciência,
envolvei-me, Ó Deus,
com o manto da obediência.

Feixes de Alegria (04.03.15)

Sim, de lágrimas é o caminho.
O Senhor mudou  a nossa sorte
E agora podemos ceifar com
Alegria.

Com as lágrimas  preparamos o
Caminho e quem indo chora,
semeia e rega a semente que 
virão a ser feixes recolhidos
na alegria.

O Senhor fez por nós grandes 
coisas e não podemos fazer 
outra coisa senão louvar e
agradecer!

Éramos cativos e Ele nos libertou,
Estávamos perdidos em ventos 
contrários e nos conduziu à terra 
prometida, reclamávamos tendo 
tudo por desgraça e hoje damos 
graças sem cessar.

Sim, o Senhor mudou nossa sorte 
como as torrentes do deserto, 
pelo caminho ceifamos em meio 
às lágrimas, agora no regresso 
recolhemos feixes de alegria.