domingo, 31 de maio de 2015

Calvário (31.05.15)

Faz bem olhar para Cruz
e encontrar nela não só
um recomeço, mas uma
história construída por
Amor.
Se a vida por vezes
parece repetição do Calvário,
é preciso lembrar que
suportá-lo não é morrer,
mas encontrar-se com a vida.
Se o luzeiro que em mim
brilha hoje é fraca chama,
peço que o Espírito
a reinflame, fazendo frutificar os
dons e trazendo a alegria.
Se Deus pede que eu mude o
rumo do caminho por onde ia,
peço forças e coragem, para
com fidelidade poder dizer sim
e não voltar atrás.
Só tenho um caminho,
que é o próprio Jesus.
É Ele quem revela quem sou
e me mostra que há vida além
da dor, todos os dias me ensina
que atravessar o Calvário não
é caminhar para a morte,
mas encontrar-se com a  vida.

sexta-feira, 29 de maio de 2015

O Abraço de Jesus (28.05.15)

Quando criança
e com medo eu
abraça forte
minha mãe, logo o
medo era dissipado e
uma profunda paz me
envolvia.
Cessava o choro
e me tomava uma
grande alegria.
As lágrimas derramadas,
davam lugares ao risos.
Lembro-me de seu colo
acolhedor a me aquecer,
das histórias de grandes
homens que zelaram
pela humanidade.
Lembro-me da expressão
de meu pai a me encorajar,
ensinando-me as coisas da vida.
Fui crescendo e muitos abracei:
a pecadora caída, Lázaro,
Zaqueu, a menina tida
por morta, Marta, Maria,
João, Pedro,  Tiago,  Judas,
enfim....
Ninguém do meu abraço
escapou,  pois no alto do
Cruz, retribui os abraços
ternos de minha mãe,
me dando em sacrifício
e abraçando o mundo inteiro.

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Náufrago (27.05.15)

Tenho à vista grandes tempestades,
não serei eu náufrago, pois tenho
o teu auxílio.
É incerto meu o destino.
Estou eu a navegar, tendo
à minha frente o mar revolto.
Sou eu todo envolto, protegido,
guiado.
Vejo ondas a engolir e levar à
morte muitos ao meu lado, porém
estou à salvo, seguro.
Serei eu ao teu lado uma indefesa
criança, diante de grandes ondas;
em meio à fúria do mar revolto.
Não temerei, pois sei que estou nos
teus braços protegido.
Estrela do mar,
guia-me até o porto.
Senhora dos navegantes,
sede meu socorro!
Mãe da esperança,
olhai por mim!
Dos que navegam és a esperança,
minha mãe, sou tua criança!
Não me engolirá o mar,
não serei confundido!
Não serei náufrago,
pois tenho o teu auxílio.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

A Aliança (21.05.15)

Se tenho um coração puro
e reta é a minha intenção,
da mesma forma será reta
a estrada por onde sigo.

Haverá alegria no anúncio,
não serão pesadas as renúncias.
Terei forças suficientes para
manter-me perto de Ti e
continuar a caminhada.

Haverão grandes tempestades,
mas minha fé não será abalada.
pois és meu refúgio e cidadela.
em Ti está a minha confiança.
Subsistem em mim muitos,
tormentos, perto de mim
grandes tribulações, porém
quando estou Contigo, são
causa de maior proximidade.

Quanto mais sofro por Ti,
mais preciso aprender a amar.
Serei feliz pela fidelidade e
obediência, mesmo que sofra
injúrias e desprezo.

Humilhado, minha alma a Ti
será elevada, suportando com
paciência as coisas que me
acontecem, rumo à vida eterna.

Não são demais as tempestades,
pois nenhuma delas é maior do
que Teu alento e segurança,
sois o Deus que sempre ama
e nunca se esquece da Aliança.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Perdas (19.05.15)

Em tudo desejo ser obediente,
mesmo que parte de mim eu
perca, para que o que está
podre se exima e o que está
por nascer floresça.
Não vejo outro caminho,
senão obedecer e por-Te
acima de tudo e todos.
Para que se revele a verdade
sobre mim e os Teus planos
se concretizem, me disponho
a suportar o  presente
sofrimento tendo em vista
o amor que vem de Deus,
afim de cumprir Tua vontade.
Aceito-o com paciência,
permaneço fiel,
comprometendo-me
a obedecer-Te, mesmo
sem entender o que há
por vir, em tudo desejo
ser obediente, pois sendo
Tu,  o Filho de Deus,
assim o foi e não sou eu
maior do que o meu Mestre.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

O Cordeiro de Deus (13.05.15)

Desejo fazer-Te conhecido
no mundo inteiro,
ser luz das nações
e levar-Te até os confins.
Sou eu pequeno diante
de tamanha grandeza
Aos poucos vou crescendo,
amadurecendo e tendo-Te
como minha fortaleza,
meu Sumo Bem,
minha maior riqueza.
Sou eu escravo do Teu amor,
prisioneiro do Teu Reino.
Sou eu, temoroso, inseguro,
mas ainda sim, em Ti acorrentado.
Teu Amor me conquistou
e aos poucos vou me
tornando todo Teu.
Minha alma se move ao encontro
da Tua, tal como a Noiva,
Tua Igreja, se faz esposa no Altar.
És o cordeiro de Deus,
imolado por mim.
Quero eu, ser todo Teu,
ir até o fim, imolar-me por Ti.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Oferta de Amor (10.05.15)

De Ti fui aprendendo a ofertar
o pouco que tinha,
feliz encontrei a vida
e a gerei em mim.
Fui indo meio sem saber
como se daria,
que alegria quando
descobri que a vida
por mim seria concebida.
Vi-me estremecida igual
Maria perante a saudação
do anjo, vi-me necessitada
da luz do Espírito que gerou Jesus.
Em meu ventre aceitei  acolher
o menino, que um dia pela humanidade
seria rejeitado.
O pequenino de mim nascido,
vai ser grande,  Rei, porém ainda
sim será crucificado.
Amada criança, doces lembranças
trago em mim.
Vi-Te crescer, vi-Te morrer, vi Aquele
que amamentei a entregar a própria
vida e fazer dela uma oferta de amor.

Paulo (07.05.15)

Eu, Saulo,
perseguidor,
opositor e
fiel defensor
de minhas vontades.
Fui perseguido pelo
Cristo que perseguia,
fui preso e conquistado.
Sobre mim resplandeceu
uma forte luz e logo
pude crer que aquele
que eu perseguia,
me chamava a anunciá-lo.
Me converti,
coloquei-me à caminho,
por onde ia falava deste
imenso amor que provei.
Fui preso,
levado ao cárcere.
Combati o bom combate,
guardei a minha fé.
Exortava insistentemente:
alegrai-vos! alegrai-vos!
Feliz dei a minha vida!
Eu, antes Saulo,
perseguidor,
sou agora Paulo,
perseguido pelo mesmo
amor que perseguia.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Mãe das dores (05.05.15)

De olhar desconsolado,
Vistes o Cristo Crucificado,
Penetraram-te as sete dores.
Um espada tua alma transpassou e diante
do peso da dor teu coração junto ao Cristo
chorou.
Tua alma em dor se contorcia,
enquanto de toda a humanidade
se compadecia.
Encontrastes um sentido que só
o coração que ama pode entender.
Tamanha foi a perfeição,
a santidade de teu Filho,
por amor deu a própria vida.
Tua alma ferida, no sangue
derramado se revigora,
por isso chamamos-te senhora,
mãe das dores.