domingo, 28 de junho de 2015

Todas as coisas (28.06.15)

Só com grande amor podem
ser desfeitas as amarras
passadas e a vida à Tua
Imagem e Semelhança
restaurada.

Insondáveis são os caminhos,
todas as coisas convergem
para o Sumo Bem, para o
Amor primeiro.

És misericórdia e bondade
sem fim, és o infinito,
imensurável; e quem é o
homem para ser alvo da tua
preocupação?

Sois o sentido de todas as
coisas, o entendimento que
transpassa e clareia a turva
visão; a mão estendida
e o caminho a ser seguido.
Abaixo de Ti, o homem,
e todas as coisas.

Sugestão de Leitura Bíblica: 
Salmo 8 (Tradução da Ave-Maria).

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Se (24.06.15)

E se ao invés
de ficar eu fosse?
Partisse, saísse
por aí a falar do
Amor que me
consumiu...
E se por um
instante eu
parasse e naquela
hora enxergasse
tudo que o de mal
eu fiz, transformando
a culpa em motivação?
Que tal distribuir meu
perdão? A mim mesmo,
aos que feri, aos que
afundei ao invés de
estender a mão...
É certo que sou
incerto, incompleto
e ainda parte, vazio...
As possibilidades
simulam as ações,
constroem muros,
infundem lamentações...
A graça traz alegria,
reflexão, calma e paz
Me faz pensar...
E se for tarde
e não der mais
tempo de fazer
tudo o que eu
apenas pensei
e não fiz?

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Lágrimas (22.06.15)

Lavavas com bálsamo 
os pés de Jesus e com 
as lágrimas tu consolavas-te
o coração.

"Responde ó Maria, 
no teu caminho o que havia?"
Dos erros que cometeu
quem te acusou? 

Quem como Jesus tanto amou-te?
Teu Mestre, encontrou nas tuas
lágrimas, arrependimento, pureza
e santidade; viu-te escondida, com
medo, indagou e todos se foram; 
estendeu-te a mão.
Viu-te do alto da Cruz e enquanto
dava a vida por ti, talvez tenha até
lembrado daquilo dia que enquanto
escrevia na areia, perdoou-te de tudo
que fizestes.

Tu, que andastes errante, 
caístes no lugar certo; 
aos pés do Mestre.

Como é belo ver que ali 
permanecestes por toda a vida; 
as mesmas lágrimas que
banharam os pés do Mestre,
derramaram-se aos pés da Cruz.

Vistes-o levado a morte,
sofrendo com ele as dores
do caminho.
Vistes-o morto, sepultado e
após três dias ressuscitado,
fazendo-te  testemunha vitória
sobre a morte.

Após descer a mansão dos mortos,
trouxe para sempre a vida, a ti
e ao mundo inteiro;
Agora pergunto-te eu:
em tua memória não passavam
também as recordações daquele
dia do encontro?

Tu lembravas da tua vida
de pecado, onde lavavas com
bálsamo os pés de Jesus
e com as mesmas lágrimas
derramadas por todo o Calvário,
tu consolavas-te o coração?

Vendo agora tua vida toda
restaurada, "responde ó Maria, 
no teu caminho o que havia?"

quinta-feira, 18 de junho de 2015

A voz que não se cala (18.06.15)

Simples e inquieto Fernando,
que levava em seu coração o
desejo de dar a vida por Cristo, 
modelo e exemplo de vida. 
Mais tarde torna-se-á Antônio,
sempre virtuoso e exímio 
pregador do Evangelho. 
Com zelo abrasava os corações, 
com a alegria levava a vida. 
Sempre humilde e rebaixado,
por isso hoje grande, santo e 
estimado. 
Fazei-nos chamas vivas 
e ardentes, anunciadores
que falam com as obras, 
testemunhas que ensinam
com a própria vida.
Inflamai em nossos corações
o ardor missionário, para que 
suportemos as lutas, sem obter
descanso enquanto não chegarmos
ao pleno cumprimento da nossa
missão; e assim alcançarmos o céu.
Sede o nosso modelo, sede o 
nosso incentivo, olhai por nós 
junto a Deus, vós que falaste de 
Jesus ao mundo inteiro, 
estando para sempre ao Seu
lado, falai do mundo inteiro 
a Jesus.

domingo, 14 de junho de 2015

O coração de Maria (14,06,15)

Há uma ponte que me liga
ao Céu, é o coração de Maria,
Imaculado e onde são guardadas
todas as coisas.
Há uma ponte que me liga
a Jesus, é o coração de Maria.
Há uma ponte que remete
à meditação e me põe em Missão,
é o coração de Maria.
Há uma Mãe que me consola e
alivia, é Maria.
Me educa e me apresenta
o caminho, intercede por
mim e me traz a paz.
Há uma ponte que visita
o coração de Deus, levando
as preces da humanidade,
é o coração de Maria.
Há um coração que é
espelho do coração de Jesus,
é manso, humilde, misericordioso,
o coração de Maria.

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Oficina de Restauração (12.06.15)

Ponho-me no Teu coração
sagrado e chagado para lá
receber nova vida, deixar-me
ser restaurado.
Ponho-me ao Teu lado, para
refazer o caminho e me
reencontrar com a alegria.
Meu maior consolo é saber
que sou insuficiente e inacabado,
pois sendo eu assim, serei sempre
alvo do Teu trabalho.
Vejo-Te a me reconstruir,
trabalhando noite após a noite
para devolver-me a forma inicial.
Vejo-Te incansável, sempre
amoroso, moldando-me com
Tua própria mão.
Sou obra, construção,
instrumento gasto.
Teu coração é descanso,
fonte de amor e misericórdia,
minha oficina de restauração.

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Fins de tardes (10.06.15)

Em muitos fins de tardes
fiquei a imaginar como
se dariam as coisas,
como seria meu futuro e
em como responder a voz
do Teu Filho.
Vi indo embora os dias,
atravessei escuras noites,
nunca estive desamparado.
Obtive a mesma resposta
que ouvistes do anjo:
"O Espírito virá sobre ti"
Também vi surgir no céu
estrelas que me recordam
a tua presença e cuidado.
Sabendo que lá estás,
peço o teu auxílio e proteção.
Consagro a ti minha vida,
certo de que recorrendo à
tua intercessão, o teu Filho
me ouvirá.
Tua é minha vida, meus
dias, pois toda de Deus és,
e eu também o quero ser.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

Barro e Sopro (08.06.15)

Esforço-me para ser
fiel e na paciência 
alcançar os frutos
das Tuas promessas.

És Tu meu criador, 
meu caminho, divino, 
essência, voz que chama
e revela a verdade a ser
seguida na obediência, 
na fidelidade.
Fonte do ardor, da vida,
princípio e fim.

Sou eu um inquieto
e necessitado, sempre
em busca, insaciado. 
Mais próximo de mim,
quando mergulhado em Ti.
mas ainda desconhecido

Eu, obra de Tuas mãos,
barro sendo modelado,
sopro que foi dissipado,
Incompleto, barro e sopro
a ser restaurado.

O Altar do Sacrifício (08.06.15)

Ouço ao longe Tua voz,
que me chama a subir
a montanha e no topo
adorar-Te.

Sinto-me livre e liberto
de mim mesmo quando
me solicitas e consigo
dar-Te o que me foi
pedido.

Em cima do alto monte,
deparo-me com o Amor
que me seduziu, com Sua
vontade ao meu respeito.

Quem sou eu parar merecer
tanto Amor? Feliz culpa
que me trouxe o Redentor
e impôs misericórdia e não
sacrifício.

Todas as minhas paixões,
me conduzem a um único
Amor, me colocam diante
do Altar do Sacrifício.

quarta-feira, 3 de junho de 2015

José e Jesus (02.06.15)

Pequeno José,  em seus
braços o Filho de Deus.
Simples Jesus,
ingênuo e indefeso.
Assim te vejo, preso
nos braços de José,
protegido.
Para ele serás sempre
pequeno, mesmo
já tendo crescido.
Ainda assim, o
inocente menino.
Encontro em ti virtudes
replicadas, um amor
que foi aprendido em
meio às coisas simples.
Suas próprias mãos deram
formato à madeira.
Seria mais tarde ela
por Ti abraçada.
Conhecias a estrada,
aprendestes de José a fé
e a trabalhar também
pela salvação.
Se por ser Filho de Deus,
Tua condição é elevada;
por ter sido fiel e cuidado
de Ti e de Tua Mãe, a alma
de José, Teu pai, foi glorificada.