segunda-feira, 31 de agosto de 2015

A Árvore da Alma (31.08.15)

De claridade sem fim é a
luz que está no centro de
minh'alma.
Sempre intensamente forte,
porém às vezes ofuscada pelo
meu pecado.

Esta luz refletida é a imagem
trinitária, é o movimento
de Amor eterno que se
repete e vai ao outro.

Esta luz ofuscada é a morte
que me impede de levar a
vida, é a tristeza da alma
que se envaideceu e está
esquecida de seu Senhor.

Se plantada nas trevas,
a árvore de minh'alma
nenhum fruto pode dar,
tem mau cheiro, é estéril,
não gera vida.

Sou feito para a luz e
no centro da minha alma
está a fonte, a água da vida.
Está a fonte, o Sol, está
plantada a árvore que
dá bons frutos, a árvore
da alma!

sábado, 29 de agosto de 2015

Nada terei (29.08.15)

Nada terei quando
tudo eu quiser ter,
enquanto tudo não
estiver submetido
à Tua vontade.

Não pode ser maior
a minha vaidade,
não posso esquecer-me
de que tudo o que faço
é por Ti, para Ti e em Ti.

Sozinho nada posso fazer,
nada consigo perder,
tenho tudo para mim e
nada tenho além de mim
mesmo.

Conforme submeto meus
planos e tudo a Ti entrego,
vão se ausentando de mim
as desordens e desequilíbrios.

Preciso caminhar,
tudo perder e enfim
poderei dizer que tudo
tenho.

Quando nada eu tiver,
tudo terei, a minha alma
estará saciada, será o meu
tudo a Tua presença.

Uma canção de liberdade (29.08.15)

Quando estou contigo
sinto-me embalado em
uma envolvente dança.
Me sinto uma criança
a se divertir com tantas
outras.

A melodia no pulso
do Teu coração vai
penetrando os meus
sentidos e em pouco
tempo já me vejo
dançando.

Entendo então que
minha vida é obra
composta por Ti,
os sons se alternam
e soam conforme o
Teu querer.

O que posso mais eu
querer se não continuar
eternamente no embalo
desta bela canção?

Meus olhos se encantam,
meus lábios cantam, meus
ouvidos ouvem o pulsar
do Teu coração e todo o
meu ser se deixa ser
conduzido.

Talvez seja isto a tal
liberdade: uma canção
que não compus, uma
dança aonde não conduzo,
mas sou por Ti conduzido.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Servo dos servos (25.08.15)

Meu coração saúda
e minha alma reverencia
o Rei que me ama e se
fez servo dos que servem.

Sendo Tu o maior de todos,
preferiste estar com Teu
povo a ocupar um trono,
o serviço à majestade.

Sou grato e não me acho
digno de tamanha afeição,
mas já que assim quiseste,
procuro eu fazer o mesmo.

Nem sempre consigo
transmitir da mesma
forma o amor que de
Ti recebo e nem servir
como me ensinas. 

Porém, sempre me
esforço pra ser o último
e não primeiro, o servo
dos que servem e não o
que é servido.

Pobre Servo (25.08.15)

Eu pequeno, a cada dia
preciso ir em busca do
alimento que sacia e
acalenta minha alma.

Minha alma se inquieta
se assim não faço.
Obtenho grande ajuda
quando primeiro vou
até Maria.

Como boa mãe me ensina
que a vida é simples e viver
com seu Filho também.
Basta ir em busca e Ele já
me encontra.

Basta servir com empenho
no cotidiano e lá Ele está
presente; basta amar sem
buscar motivos e lá Ele está
presente.

Basta fechar os olhos,
olhar pra dentro e lá
Ele está presente;
Basta que de mim eu
me ausente e ao outro
me disponha e Ele lá
está presente...

No que se vê,
no que se ouve,
no que se sente,
Jesus se faz presente.
É a luz que revela as
boas obras e o mal oculto.

Tudo isso que digo não
é sabedoria própria, são
ensinamentos de Tua boa
mãe, a quem eu amo e me
entrego.

Jesus, és o servo do Pai,
aprendestes de Maria e
José e  também ensinastes
a eles o mundo inteiro com
as Tuas boas obras.

A Ti, Jesus, só posso
dizer: sou pobre servo
de Tua grande serva
e amada mãe.

sábado, 22 de agosto de 2015

Abstrato (22.08.15)

E quando a presença for
só retratos e sentimentos
mistos guardados em meios
às memórias que ao poucos
o tempo leva?

E quando o tato não puder
alcançar e transmitir o
desejo interior e o remoço
quem sabe sucumbir as
boas lembranças?

Mais vale quebrantar
o orgulho e humilhar
o coração, mais vale
ser sensível e aproveitar
bem cada segundo.

Não é preciso transformar
o mundo e tudo que nele
habita, mas é um bom
começo começar por si
mesmo, para que o mundo
seja melhor.

Pode ser que o eterno
carregue consigo a
chance de expressar
o que foi sucumbido
e não foi demonstrado,
o que era concreto e
tornou-se abstrato.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

A Luz do Sacrário (19.08.15)

Precisei por muitas vezes,
mesmo sem querer, te visitar.
Sempre vi brilhar uma luz
sinalizando a Tua presença.
 
Mais forte era a que de Ti
emanava.
Precisei por muitas vezes
a mim mesmo abandonar,
ser fiel e me deixar ser
conduzido.

Precisei por muitas vezes,
desejar e fazer da tua a
minha única companhia.

Feliz fiquei quando em
um belo dia, entendi que
o sacrário também sou eu
e que a luz que sinaliza tua  
presença, brilha dentro 
de mim.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Pequena Criança (17.08.15)

Eu antes aflito,
diante das dores
que me atormentam,
fui por tua mãe
consolado.

Quando rebelde,
com forças em seus
braços me segurava.

Tua mãe está sempre
a me lembrar que
embora cresça, pequena
criança devo ser.

Embora rebelde,
cheio de vontades
próprias escondidas,
devo sempre te obedecer.

O maior tesouro (17.08.15)

De que vale aqui
ter tesouros
passageiros e não
poder gozar da
eternidade ao teu
lado?

De que vale muito
ganhar e ter-Te de
mim roubado?

Dos muitos tesouros
que tive que deixar,
nenhum se equivalia
a Ti, nada eu perdi
e recebo ainda ao
longo da vida,
o cêntuplo.

Foi esta a sua
promessa que me
encorajou a dar
um sim definitivo
e deixar tudo
para seguir-Te.

Meu olhar para Ti
se voltou, e minhas
trevas foram feitas
luz.

Deixei não só os
barcos, vendi o
campo e meus bens
mais preciosos,
para ter-Te como
o meu maior tesouro.

Sugestão de Leitura Bíblica: 
Mt 16, 19-21; 13, 16-22; 19, 16-22.

Dentro de mim (17.08.15)

Resolvi chegar mais
perto e de forma mais
intensa te procurar.

Olhar pra dentro de
mim e no meu escondido
te encontrar.

Resolvi adentrar mar
adentro e conhecer o
íntimo do Teu coração.

Fui em busca de me
encontrar e me deparei
com o Teu altar.

Fui em busca de um
grande ideal e no
caminho interrompi
os meus passos,
pois me deparei com
um alto monte.

Em cima dele havia
uma cruz.
Dentro de mim vi a
mesma cruz, fortemente
iluminada.

Parece estranho,
mas assim aconteceu:
a cruz do alto monte,
brilha forte dentro
de mim.

Assunção (17.08.15)

Dorme a mãe,
em seus braços
o pequenino, no
coração a paz
constante.

Não obstante,
perto está a
glória eterna.
Aquela que sempre
acolheu, é agora
no céu acolhida.

Seja bem-vinda,
lhe saúda a Trindade.
Mãe assunta, pelos
anjos levada.

Mãe amada,
Rainha dos céus,
coroada.

Pela vida digna,
o prêmio eterno.
Pela fidelidade,
a oportunidade
de estar sempre
ao lado de teu
Filho.

Fico admirado e
não vejo outro lugar
para ser a tua morada,
senão o seio da Trindade,
onde tua vida foi gerada
e feita eterna.

A amizade de Jesus (17.08.15)

Meu amigo, com quem
me desgastei em longas
conversas.

Por Ti muitas vezes
fui aconselhada.
Sempre o vi preocupado,
a me apontar a direção
correta.

Fui te conhecendo aos
poucos, e quanto mais
conheço, mais invisto
no cultivo da nossa
amizade.

Quando me sinto só
e me assombra os meus
vazios, é a Ti que eu
procuro.

Chego triste e sempre
após conversar contigo,
me sinto aliviada.

Precioso não era o campo
que vendi, mas o tesouro
que em Ti encontrei.

domingo, 16 de agosto de 2015

Vens a mim (16.08.15)

Vens a mim em
socorro de minhas
fraquezas, consolar
o meu coração.

Vens a mim,
a abrasar-me,
chamado-me
à vida.

Vens a mim,
por onde vou.
Vais à frente,
sendo Tu, o
meu condutor.

Vens a mim e
a Ti eu vou,
bates à porta
de minha alma.

Antes já adentrastes
meu coração, meu
entendimento.
Seduziste-me e eu
me deixei seduzir.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Só tu me bastas (17.05.15)

Sendo eu insuficiente,
recorro a ti.
Tendo eu me perdido
em meio ao caos,
volto meu olhar para ti.

Tendo eu sido consumido
e me perdido em mim mesmo,
volto ao lugar de onde sou,
volto ao teu coração.

Eu que me julgava
suficiente, dobro meu
coração em contrição.
Tende piedade de mim
e acolhe-me ó Deus em
teu coração, na tua paz
e segurança.

Eu que hoje entendo
que nada sou, faço
de ti o meu tudo.
Eu que me bastava,
coloco-te como meu
sentido, como minha
herança e fortaleza.

Se eu me exaltar,
abaixa-me e ensina-me
com ternura que sem
ti nada sou.

Se eu te diminuir,
corrija-me e ensina-me
a por-te acima de tudo
e de todos.

Se por meus pecados
eu me diminuir,
lembre-me o valor
da minha vida, pois
minha vida é tua!

Eu antes dono de mim
mesmo, me submeto
suplicante à tua realeza.

Sou eu, pequeno e
necessitado, insuficiente
e inacabado, não me basto,
só tu me bastas!

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Mil anos (11.08.15)

Se tiver coragem, 
seja ousado e 
pergunte: "como?" 

Se tiver coragem, 
ouça a voz que 
com clareza expõe
a resposta. 

Se tiver coragem, 
seja ousado e pense 
pequeno para chegar 
até o fim. 

Se tiver coragem, 
una-se à Cruz, 
encontre alegria
diga sim dia 
por dia, até que na 
eternidade um 
dia seja como 
mil anos!

Sugestão de Leitura Bíblica: 
II Pd 3, 8-15.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Sorriso e Louvor (06.08.15)

Daí-me a graça de ter
nos lábios um sorriso
sincero, seguido de
canções de louvor.
                     
Dái-me um coração
ardoroso, que seja
capaz de transfigurar
a minha feição.

Um coração renascido
da água e do Espírito,
gestado pelo impulso
de uma vida íntima,
centrada em Deus.

Dái-me comunhão,
novo ardor no novo
coração, sorriso e
louvor nos lábios.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Cristo Restaurador (05.08.15)

Cristo com um novo
ardor abrasou o mundo,
reerguendo o homem
decaído, devolvendo
sua postura e dignidade.

Cristo  com profundo zelo
amou a humanidade, sobre
ela dissipou um novo sopro,
trouxe vida e ressurreição.

Cristo com amor e ardor
serviu o mundo inteiro,
ensinando que o último
tornar-se-á o primeiro.

Cristo apresentou a nós
sua face restauradora,
capaz de devolver a vida
e à deformidade levar a 
restauração.

domingo, 2 de agosto de 2015

O Santíssimo Nome de Jesus ( 02.08.15)

Pouco sei de mim,
Tu, porém, tudo sabes. 
Mesmo o que
não sei, não te é oculto
e assombroso.

Se pouco sei de mim,
devo ir a Ti, que tudo
sabes.

Sei que sou amado,
obra inacabada, mas
inspiração completa,
sopro dissipado.

Sou eu protegido,
resguardado, fui
livrado da morte...

Engrandeço o Teu nome
que me trouxe redenção
e vida nova.
O nome acima de todos
os nomes: Jesus.