quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A pena de Teresa(05.08.16)

Minha pena ainda será
instrumento que proporciona
o encontro de almas.

A tinta no papel,
resume em versos
o meu desejo de
tocar o céu.

Destas pobres e
indignas mãos,
Deus faz brotar
canções.

Com um pena empunhada,
tento revelar Tua face
sagrada.

Alma escrava, em busca
da Verdade, da liberdade
que há fora deste cárcere
de mim mesmo.

Deus afável, que acolhe
com carinho a tinta que
borra o papel nos ensaios
de ser livre em Ti.

Usa-me, pois recebi por
missão empunhar a pena
de Teresa.




quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Antônio de Deus (11.08.16)

Antônio, de Lisboa,
de Pádua, Antônio
missionário, frade,
amigo, atento e irmão.

Antônio, entregue,
feliz e decidido,
Antônio, simples
e incisivo.

Antônio, filho de
Francisco, pão dos
pobres e tesouro da
Igreja.

Antônio que espalhou
por meio de sua pregação
e testemunho, novo ardor
nos corações.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Habitação (03.08.16)

No raiar deste novo dia
quero ofertar a Ti o meu
coração, na entrega, na
oblação construir o meu 
sim. 

O meu desejo é adentrar 
Tua habitação, fazer do
Teu santuário a minha 
casa. 

Estarei eu em retorno
ao ventre materno, a 
ser gestado para nascer
de novo na água e no
Espírito. 

No raiar deste novo dia,
no nascer do por do sol, 
na noite que a luz dos
astros alumia, quero 
poder dizer que minha
casa é a Tua habitação. 

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Com Maria, ser mar... (02.08.16)

Diante da imensidão do horizonte
que contemplo, vejo o Senhor a
convidar-me a ir às águas mais
profundas, a ser grande como o
mar que se perde à minha vista.

Me recordo do grande chamado
de Maria, naquela jovem menina
que ousou dizer sim e abandonar-se
nos planos de Deus...

Mesmo sem saber como se dariam
todas as coisas, permaneceu fiel,
foi longe e não desistiu...
Hoje suplico a ela que rogue por
mim, que seja minha intercessora!

Vinde, Espírito Santo! Vinde e
ensina-me a com maria, ser mar
a ousar abandonar-me e fazer a
vontade de Deus.