quarta-feira, 17 de maio de 2017

Distintas águas (17.05.17)

Neste lugar, neste mar que agora 
contemplo e onde encontram-se
tantas águas distintas, como é
possível haver uma autêntica união?

Quão grandioso mistério,
o ser um com todos e não
por mim, mas por Ti,
e não importando a distância
a todos poder encontrar.

Quão além do meu entendimento,
estão teus planos e sonhos e quão
facilmente me apego aos meus...

Vou indo assim, questionando em
mim quantos mais serão um comigo,
nesta estrada que o Senhor ofertou
para que do meu orgulho e prepotência
pouco sobrasse...

Vou indo assim, questionando em
mim, como é possível haver no meu
interior tantos lugares, pessoas...
e ainda assim em um só mar, distintas
águas.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Abismos (11.05.17)

Há abismos em mim,
alguns tão profundos
que não são alcançáveis
à mãos humanas...

Há muitos cômodos,
quartos, portas e janelas,
há muitos mistérios que
a mim mesmo são insondáveis.

Há muito e de tão cheio
que está, não há paz!
Esvaziar-se talvez seja
perder o senhoril sobre tudo,
abdicando o governo da própria
vida, confiando-a inteiramente a Deus.

Aniquilar-se é isso e um pouco mais,
é perder de si mesmo, sendo humilde
para reconhecer quem se é e para fazer
aquilo que Deus deseja.

É suprema a vontade divina, imutável,
frutuosa e fonte de verdadeira felicidade.
Ser feliz é tudo perder aqui, suportando
as dores de cada dia, para viver já aqui
e para todo o sempre ao lado de Deus.
Que Deus nos meus abismos encontre
espaço, para gerar frutos e fazer florescer
Sua santa e perfeita vontade.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Porto (09.05.17)

No porto de Tua vontade,
onde meu barco pode ficar
logo após a grande tempestade.
Aonde sereno posso olhar o
nascer do sol a trazer a esperança...
Está aqui por vezes é desconfortável
e sinto ter rompidas as minhas seguranças...
Quem poderia livrar-me da incerteza,
da excessiva fadiga de não crer que
a tempestade há de passar?
Fico aqui no desconforto do porto de
Tua vontade, munido de esperança,
de um cansado barco e de uma bela
vista de um novo dia que vai surgindo...
Sendo sempre surpreendido pelo convite
a desbravar águas mais profundas...
Águas de mares distintos, que conduzem
sempre à mesa cena: meu barco cansado,
uma viva esperança e alguns escritos
rabiscados no porto de Tua vontade.

Pier, Porto, Passeio, Pôr Do Sol, Beira Mar, Mar


segunda-feira, 8 de maio de 2017

Santa Habitação (08.05.17)

Digo do coração sensato,
no qual o Senhor permanece
permanentemente...

Digo da alma que em meio aos
barulhos recolhe-se e silencia..
Digo do ardente desejo de santidade
que por inúmeras vezes o pecado
consome...

Digo das almas que assim como a
minha são pobres e miseráveis, mas
que desejam ser para Deus uma santa
habitação.